os cheiros das coisas, as coisas de cheiros (2019)

A partir dos poemas de Cora Coralina, assume-se o espaço do Museu Casa de Cora Coralina como locus da intervenção artística “os cheiros das coisas, as coisas de cheiros”, que recupera a cotidianidade como característica dos modos de habitar. Os cheiros são evocativos, ordenam espacialidades e constituem a noção de lugar, quando ativados singularmente pelos visitantes.

 

Neste trabalho, os cheiros foram aliados às narrativas de Cora buscando recuperar memórias de afetos a partir de uma paisagem olfativa “não contínua, fragmentada e episódica no tempo” (PORTEOUS, 1990, p. 25). Os cômodos da cozinha, escritório, quarto e sótão, foram escolhidos para respectivamente conterem composições odoríficas: misturas de laranja com baunilha na compoteira de doce, louro com cânfora no escritório, jasmin na frasqueira de mão e aroeira no sótão. Vale pontuar que no escritório e sótão foram usados difusores de ambientes.